Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Albergaria. Dos incêndios ao feriado municipal.

por alho_politicamente_incorreto, em 19.09.19

Incêndios. Voltámos a ser chicoteados pelas chamas. Com inusitada frequência, o nosso concelho acaba severamente fustigado pelos fogos florestais. Em consequência, assoma-se a interrogação: estaremos perante uma inevitabilidade? Albergaria terá mesmo de se vergar à mórbida convivência com os incêndios?

Não ignorando a perversa influência da ação criminosa, que cabe às autoridades judiciais investigar e punir, há riscos e circunstâncias que podem (e devem!) ser minorados. Desgraçadamente, continuamos a dar grande realce aos meios de intervenção de grande escala como autotanques de grande capacidade e hidroaviões, negligenciando a fase da prevenção e da rápida intervenção. Defendo que os equipamentos de combate aos incêndios deverão ser o último recurso, a acionar somente quando a prevenção e as equipas de primeira intervenção fracassarem na sua missão. Se esta lógica não prevalecer, Albergaria continuará a assistir a grandes catástrofes florestais.


Apesar de alguns progressos, mantém-se a exigência de maior e de melhor articulação entre todas as autoridades que interagem na regulação deste setor específico. A Câmara Municipal deveria ser (muito mais) assertiva na definição de orientações para a proteção e promoção da área florestal do concelho, avaliando, em permanência, a nossa vulnerabilidade aos incêndios florestais e monitorizando, eficazmente, a implementação de medidas e ações de curto, médio e longo prazo.
Também aqui urge recuperar o gasto mas sábio chavão: AGIR em vez de REagir.


Sabe-se há muito que os incêndios serão o fator de maior perda de valor da floresta em razão quer do risco que introduzem no investimento, quer da degradação ambiental que impõem, mormente na deterioração da qualidade dos nossos ecossistemas. Ainda que nem sempre materializada com a desejada competência, a importância atribuída à avaliação de riscos de fogos florestais tem, por isso, vindo a aumentar. Contudo, a falta de estratégia e de investimento na dinamização e valorização do espaço rural estimulou a propensão para a desertificação, originando precariedades várias. Complementarmente, verifica-se a diminuição da atividade agrícola, e da mão-de-obra rural, a divisão das propriedades em pequenas parcelas, com a correspondente pluralidade de donos e o abandono de propriedades, que potenciam toda a sorte de perigos.
Por tudo isto, a preservação e a valorização do território rural e florestal deveriam ser, para o nosso Município, desígnios impenhoráveis em favor da defesa da floresta contra os fogos.


Feriado Municipal. Persisto em abordar este assunto porque (ainda) não foi em 2019 que o feriado municipal mereceu uma programação condigna, que assinalasse o dia a nível local e regional. Conhecida como a «Segunda-feira da Senhora do Socorro», pelo facto de, nesse dia, as famílias rumarem ao Bico do Monte com as tradicionais merendas para celebrar a festa à Nossa Senhora, a data parece agora nada dizer à maioria dos albergarienses. Está desvalorizada. O facto de ser em agosto não pode justificar tamanha omissão. A bem da memória histórica, cumpriria exaltar tão relevante dia para difundir o melhor que Albergaria tem e pode oferecer. Infelizmente, e à semelhança do que há anos acontece nos meses de julho e agosto, reitero que a programação inexiste ou é manifestamente insuficiente. Conhecer o nosso passado e valorizar a nossa História são atributos dos que sentem a terra. Um nobre propósito que merece investimento.


José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)

Albergaria. Maioria de bloqueio.

por alho_politicamente_incorreto, em 05.09.19

A Assembleia Municipal (AM) é, por excelência, a Casa da Democracia, da tolerância, da formação cívica e da defesa dos interesses das populações. Daí que a bancada do PSD/Albergaria tenha assumido, de forma serena mas assertiva, a incumbência de ser uma oposição que lidera pelas ideias, pelas soluções e pela iniciativa.

E a comprová-lo poderão encontrar-se, sem esforço, três exemplos paradigmáticos que efetivamente concretizam o chavão de “colocar as pessoas no centro da ação política” ou de que “as pessoas são a nossa prioridade”, que devem (mesmo) “vir primeiro”. A saber:

 

Transmissão online das sessões da Assembleia Municipal. A nossa proposta, chumbada pela atual maioria do CDS, lembrava que os níveis de abstenção e de alheamento dos cidadãos para com a Política atingiram cifras inauditas, urgindo, por isso, dar início a uma nova forma de comunicar e de interagir com os nossos munícipes e eleitores. Sobressai, por isso, o imperativo de instituir um registo próximo, porque chega a todos; e sério, porque traz para a ação política o que realmente interessa. A transmissão online das sessões promoveria um maior e mais sistemático escrutínio da ação de todos e de cada um dos membros da AM, facilitando o acesso a dados tão relevantes como a assiduidade, a frequência e o conteúdo das suas intervenções. De resto, a gravação das sessões consubstanciaria a melhor forma de garantir que as mesmas estão disponíveis a todos os interessados, visando assegurar o direito fundamental à informação dos cidadãos e o princípio democrático de fiscalização popular dos atos públicos. As sessões desta ou de qualquer outra Assembleia Municipal são PÚBLICAS pelo que não existe necessidade de consentimento para a transmissão da imagem. Para atestar o que afirmo, socorro-me do exemplo da Assembleia da República e do que já sucede em muitos municípios onde a transmissão online das sessões das respetivas AM’s é uma realidade consolidada: Lisboa, Águeda, Oliveira de Azeméis, Trancoso, VN Famalicão, Torres Vedras, Almada, Barreiro, Póvoa do Varzim, Fundão, Figueira da Foz, Barcelos…

A transmissão online das reuniões da nossa Assembleia Municipal é certa. Será apenas uma questão de tempo. E de (outros) protagonistas.

 

Construção de habitação a custos controlados. O PSD/Albergaria apresentou igualmente uma proposta que visava recomendar ao atual executivo camarário que, em alternativa à venda, ao mercado privado, do Lote nº 13 na Vila das Laranjeiras - que permite construção tipo plurifamiliar com cave + 5 pisos - ali efetuasse a construção de Habitações a Custos Controlados, destinada a jovens casais por forma a aumentar a oferta imobiliária e com isso fixar e atrair munícipes, contrariando o acelerado envelhecimento e diminuição da população residente. Recordámos que um número alargado de municípios tem estrategicamente intervindo no setor imobiliário, apostando na construção de habitação com custos controlados, aproveitando até os diversos fundos disponíveis para o efeito. Ademais, esta proposta, se tivesse sido viabilizada, traduzir-se-ia num sério contributo para combater a especulação imobiliária e a fuga de muitas famílias para concelhos vizinhos, que têm oferta habitacional a preços mais reduzidos e uma política fiscal muito mais atrativa do que a praticada em Albergaria, nomeadamente com taxa zero de participação no IRS.

A maioria do CDS também chumbou esta proposta. Ficou só, isolada, caída, sem apelo nem agravo, nas entranhas das suas incoerências.

 

Construção de um Parque Verde Urbano. O PSD/Albergaria propôs ainda ao atual executivo camarário que recuperasse e executasse o projeto existente para o Parque Verde da Cidade, no âmbito da criação de uma Unidade de Execução que compreendesse a Zona Desportiva, definida pela área entre o Pavilhão Gimnodesportivo, Piscina Municipal, Escola Básica de Albergaria e ETAR.

Infelizmente, devido ao chumbo da maioria, não foi possível viabilizar a proposta de um parque verde, uma benfeitoria que teria a capacidade de dinamizar toda a urbe, uma genuína mais-valia centrada nas pessoas. Aliás, a nossa disponibilidade para inclusivamente alterar a redação da proposta bem como discutir outras localizações possíveis para o parque esbarrou na inflexibilidade de quem aparenta estar na Política para destruir em vez de construir.

 

Em resumo, mais do que lamentar a postura de quem, no poder, se limita a bloquear, a chumbar, cumpre desde já notar que esta maioria camarária, não nos tendo asfixiado, deixou-nos mais pobres.

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Google Tradutor


Repto


No meio da rua...


Alhadas passadas

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Assinantes de feed

ASSINE NOSSO FEED

Feed

Gadget by Feed Burner modificado por bloggerenciado

Links

Educação

Outros BLOGS

Recursos